The world's mostpowerful website builder.

Entre Perfis e Curtidas, por que alguém seria fiel à sua marca?

A velha e boa discussão quantidade versus qualidade parece nunca sair de moda e o avanço das mídias sociais só fez crescer o debate.

A velha e boa discussão quantidade versus qualidade parece nunca sair de moda e o avanço das mídias sociais só fez crescer o debate. O que é melhor para a sua marca, um número incontável de seguidores ou uma audiência fiel?

Confesso que não me considero apta a bater o martelo, pois cada caso é um caso, mas alguns fatores devem ser levados em consideração por uma marca na hora de se aliar a possíveis influenciadores digitais.

Escândalos costumam elevar o número de seguidores dos seus protagonistas à estratosfera. Casos rumorosos de adultério ou bate-bocas no twitter podem render pautas para programas de fofocas e alguma graça em momentos de ócio, mas nem por isso vão trazer vendas e reputação para uma marca associada.

Mas muito mais graves são denúncias e suspeitas sobre crimes cometidos. Há pouco tempo, o caso do DJ Ivis, flagrado agredindo a esposa, levantou a bola. Após a denúncia, em menos de 48 horas ele havia somado 200 mil seguidores no Instagram. O que levaria tanta gente a seguir um personagem desses? E isso poderia levar alguma marca a se associar a ele agora ou em um futuro próximo?

Primeiro é preciso entender que notoriedade e reputação são coisas completamente diferentes. O que vimos foi o contrário: marcas e parceiros abandonando o músico. Mas ainda assim, por que tanta gente interessada no perfil? Tirando uma pequena parcela que inexplicavelmente (talvez Freud consiga) se viu representada ou quis prestar solidariedade ao DJ, o resto é curioso, amador ou profissional. Nesse grupo, jornalistas e pessoas comuns buscaram em algum momento reconstituir fatos da vida do acusado bisbilhotando a rede social.

Outros exemplos são ainda mais estranhos e difíceis de explicar. O “Caso do Goleiro Bruno” - tão estranho que ganhou o nome do criminoso e não da vítima, como de costume – é um forte exemplo. Por que mesmo condenado, o jogador encontrou abrigo em clubes que deram a ele emprego e expuseram suas marcas ao constrangimento público? E por que ele continua distribuindo autógrafos por onde vai (agora em liberdade)?

Não, não sou contra a ressocialização de ex-presidiários e acredito que isso se dá especialmente pelo trabalho, mas é difícil entender como um clube e até mais de um não percebe que essa contratação seria um verdadeiro tiro no pé. A aposta, provavelmente, é no grande número de seguidores e na exposição instantânea. Há, certamente, formas mais interessantes de se fazer isso.

Em 2011, o pequeno América de Teófilo Otoni, time do interior mineiro, aproveitou a onda de especulações sobre o destino do jogador Ronaldinho Gaúcho – desejado por Flamengo, Grêmio, Palmeiras e Corinthians - e utilizou seu Twitter de maneira bem-humorada para anunciar que não contrataria o jogador porque ele teria “demorado demais a responder à proposta do clube”.

A brincadeira repercutiu em toda a mídia nacional de maneira leve e rendeu notoriedade e uma exposição muito positiva ao América de Teófilo Otoni. Note que até agora não citei e nem citarei o nome dos clubes que quase se associaram ao goleiro Bruno e não o fizeram justamente pela gritaria na internet.

Vivemos numa realidade em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e as pessoas querem se tornar tão fortes quanto as marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição, saber equilibrar o tom de voz e a audiência de valor será o diferencial do novo mercado.

Mesmo que sua marca seja pequena e precise urgentemente ampliar seu alcance, pense bem antes de se atrelar a nomes controversos. Quantidade e qualidade são ótimos, mas é preciso cautela, avaliar bem o momento em que cada uma pesa mais, sem esquecer que como diziam nossos avós, fazer um nome demora anos, mas para destruí-lo bastam alguns minutos.

 

Autor: Kelly Pinheiro

O Growth e eu: Acelerando!
O Growth e eu: Acelerando!

Oi, eu sou o Rafa Nanis! Marketing & Growth Head da MClair Comunicação.

Entre Perfis e Curtidas, por que alguém seria fiel à sua marca?
Entre Perfis e Curtidas, por que alguém seria fiel à sua marca?

A velha e boa discussão quantidade versus qualidade parece nunca sair de moda e o avanço das mídias sociais só fez crescer o debate.

Comunicação não tem receita infalível
Comunicação não tem receita infalível

Você já tentou reproduzir uma receita da internet ou do velho caderninho da sua avó?

Além disso, cole esse código imediatamente após a tag de abertura :